Superando uma grande perda

O que acontece quando sofremos uma terrível perda material em nossas vidas? Explore este artigo para entender melhor como aumentar seu espírito em momentos como este.


 “Que o ímpio abandone o seu caminho;
e o homem mau, os seus pensamentos. Volte-se ele para o Senhor, que terá misericórdia dele; volte-se para o nosso Deus, pois ele dá de bom grado o seu perdão.” Isaías 55:7

O que acontece quando sofremos uma terrível perda material em nossas vidas? Qual é o primeiro sentimento que podemos vivenciar quando sabemos que alguém roubou nossa carteira, nosso carro ou que entrou em nosso lar? Fatos dessa natureza ocorrem todos os dias em todas as partes do mundo. Muitas vezes nos perguntamos "Por que isso aconteceu comigo?"

"Merecia ser roubado assim?" Obviamente que sempre objetos pessoais são perdidos e, em muitos casos, grandes somas de dinheiro, causando problemas econômicos que não previmos.

Claro está que não há consolo imediato que, nesses momentos, possa fazer desaparecer a angústia gerada. Mas não devemos esquecer que nada de mal nos aconteceu e que ainda podemos viver para contar a experiência. Que ninguém ficou ferido e que, acima de tudo, devemos entender que as pessoas que realizam esse tipo de evento são forçadas a sobreviver e realizar atos que fogem do seu controle.

Publicidad

“Descobri que não há nada melhor para o homem do que ser feliz e praticar o bem enquanto vive.” Eclesiastes 3:12

Pessoas que em muitos casos foram obrigadas a levar esse tipo de vida porque não tiveram oportunidades suficientes, nem a educação nem os recursos que tivemos. Pessoas que não permitem que o Senhor as guie em seu caminho. Agora é o momento de nos perguntarmos: "Poderemos perdoar quem está nos prejudicando?"

Imaginemos por um momento que, em vez de nascer em nossos países, em nossas cidades e bairros, teríamos feito isso em outro lugar.

Que em vez de termos sido criados por nossos pais, avós, irmãos e vizinhos, teríamos feito isso nas ruas. Agora vamos tentar localizar em nossas mentes esse lugar: ele está localizado na zona baixa de um país onde mais da metade da população não pôde acessar os estudos básicos. Menos da metade da população tem um emprego formal.


“E, quando estiverem orando, se tiverem alguma coisa contra alguém, perdoem-no, para que também o Pai celestial perdoe os seus pecados.” Marcos 11:25

As famílias que compõem os bairros vivem em pequenos assentamentos onde compartilham uma habitação feita de chapas e papelão. Moram entre seis e dez pessoas em cada uma delas e só podem comer um prato de comida por dia. Não é um mundo paralelo nem é uma situação inventada. Essa é a realidade de muitos países da América Latina, onde milhares de pessoas são forçadas a realizar atos que nunca antes pensaram para alimentar seus irmãos e irmãs.


São pessoas discriminadas e exiladas socialmente. Seres que não conseguem que o Senhor os abençoe e os encha de luz, mostrando-lhes o caminho correto para superar seus problemas, entendendo que, na realidade, o Plano Divino que nosso Pai Celestial tem para cada um deles terá sentido em breve. No contexto, não concederia o perdão a uma pessoa que vive desse modo e que pode estar em paz consigo mesma? 


“E, quando estiverem orando, se tiverem alguma coisa contra alguém, perdoem-no, para que também o Pai celestial perdoe os seus pecados.” Marcos 11:25

Temos que ser capazes de compreender aqueles que nos rodeiam, que são parte de nossa sociedade e por que muitas vezes esses eventos isolados nos causam certo nível de desconexão e indiferença.

Como irmãos e irmãs de Fé, devemos ter a capacidade de perdoar aqueles que praticam o mal ou realizam atos que não são contemplados pela boa vontade de nosso Senhor. Acontece que é uma das coisas mais difíceis, mas que Jesus mais fala nas Sagradas Escrituras.





Verso diário:


Artigos anteriores

O Descanso Universal

Planejando o brilho futuro